Lançada pelo IBICT: cartilha sobre atribuição de Identificadores Digitais para Publicações Científicas



O Biblioteconomia Digital informa, por meio de nota do IBICT que foi lançada a cartilha de Atribuição de Identificadores Digitais para Publicações Científicas (DOI) no XXV Congresso Brasileiro de Biblioteconomia (CBBD), ocorrido no período de 07 a 10/07/2013, em Florianópolis. De autoria de Ronnie Fagundes de Brito, Mariana Giubertti Guedes e Milton Shintaku, a publicação é mais uma realização da Coordenação Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados do Instituto.

A cartilha nasceu da parceria entre o IBICT, CrossRef e Associação Brasileira de Editores Científicos (ABEC) com o propósito de disseminar e facilitar a adesão ao Digital Object Identifier (DOI) como identificador eletrônico para auxiliar a localização, recuperação e referências cruzadas de artigos.

Com isso, o Instituto busca fortalecer a comunicação científica com a oferta de informações para serem utilizadas principalmente por quatro tipos de usuários do sistema DOI que são: os editores, agências e afiliados que hospedam os objetos, as bibliotecas e os pesquisadores.

Vale ressaltar que, segundo a obra o Digital Object Identifier (DOI) faz parte de um sistema que oferece identificadores digitais para objetos que permitem a identificação inequívoca e persistente de qualquer tipo de entidade (física, digital ou abstrata) no ambiente da internet. Como exemplos de objetos que podem receber um nome DOI, pode-se citar um CD de música (estrutura física), seus arquivos (estrutura digital) de gravações com as performances de músicas (estrutura abstrata).
Na era em que publicações eletrônicas precisam estar adequadas ao que a legislação de Direitos Autorais estabelece, a visibilidade do que se produz é esperada e Normas Técnicas relacionadas a identificação de objetos em meio eletrônico e referências precisam de atualizações, cabe esclarecer que DOI refere-se ao identificador digital de um objeto e não deve ser confundido com o tratamento de identificador de um objeto digital.
O nome DOI é atribuído de forma permanente a um objeto, fornecendo um link persistente de rede que remete a informações atualizadas sobre esse objeto, inclusive onde o objeto, ou informação sobre ele, pode ser encontrado na internet.


Estrutura





Recomendações para exibição:
• Tabelas de conteúdo;
• Resumos;
• Artigos de texto HTML e PDF completa e outros documentos acadêmicos;
• Citação de downloads para fazer referência a sistemas de gestão;
• Metadados alimentado por terceiros;
• “como citar este” – instruções nas páginas de conteúdo;
• Ligações de redes sociais;
• Em qualquer lugar em que os usuários são direcionados para uma ligação permanente, estável, ou persistente para o conteúdo. Por exemplo, nas referências.

Requisitos para a obtenção do DOI:

• Depositar um conjunto mínimo de metadados obrigatórios sobre a publicação a ser enviada para o CrossRef;
• Manter estes metadados atualizados, em especial a URL associada ao nome DOI;
• Comprometer-se em manter as publicações registradas acessíveis via Web, com um plano de arquivamento a longo prazo;
• Não publicar os nomes DOI enquanto os endereços (URL) associados aos mesmos não estiverem disponíveis;
• Não atribuir dois nomes DOI para o mesmo objeto.

Vantagens

• Obter identificadores persistentes para publicações;
• Aumentar a visibilidade e o acesso dos documentos publicados;
• Possibilitar a transformação de citações em links navegáveis;
• Identificar publicações que referenciam a publicação em questão;
• Promover a persistência do endereçamento na Web, caso o material precise ser movido ou rearranjado;
• Integrar formatos de dados, de modo que uma publicação em PDF, impressa ou em HTML, possua o mesmo identificador;
• Atualizar dinâmicamente os metadados, aplicativos e serviços, promovendo a recuperação de metadados atualizados;
• Estender funcionalidades associadas aos nomes DOI, tais como participação em novos serviços colaborativos, detecção de plágio e verificação de atualização de versão dos documentos identificados;
• Certificar publicações, no caso do Currículo Lattes do CNPq.


Sugestões do modo de indicação do doi nas referências segundo a Crossref (2003): 


1. Usar o DOI URL CrossRef como o elo permanente;
2. Usar um ShortDOI como o elo permanente.
3. Mostrar a logomarca da CrossRef junto ao link permanente DOI, remetendo também à página do artigo.
4. Mostrar a logomarca da CrossRef remetendo à URL permanente do artigo.
5. Apresentar o texto “CrossRef ” com um link DOI permanente.
6. Apresentar a indicação “Texto Completo” ou “Artigo” ou algo semelhante com o link DOI permanente.
A Crossref é agência de registro que tem autorização para adotar normas específicas sobre regras, valores anuais pagos em dólar por tipo de conteúdo, descontos concedidos, política de uso e permissão para atribuição do DOI para itens de conteúdo. Dados apontam que em 2012 foram registrados cerca de 56 milhões de DOIs.




A GN1 é afiliada ao CrossRef com prefixo próprio e está habilitada à atribuir o DOI Digital Object Identifier gera o arquivo em XML e pode depositar os identificadores dos artigos científicos de um fascículo com prefixo próprio, assim é dispensada a necessidade de a revista afiliar-se e precisar pagar a anuidade e o valor por depósito. Entretanto, caso a revista deseje ter um prefixo próprio o depósito poderá ser realizado pela GN1 da mesma forma juntamente com a assessoria para o processo de afiliação.
  
Para consulta de identificadores persistentes interoperáveis O IDF, órgão de gestão e governança para a Federação de Agências de Registro que prestam serviços DOI e de registro, e é a autoridade de registro para o padrão ISO (ISO 26324) para o sistema DOI, disponibiliza o sistema doi system . que permite a pesquisa da validade do DOI.

Algumas informações, aqui apresentadas, foram extraídas de nota publicada em 16.07.2013 pelo Núcleo de Comunicação Social do IBICT na pessoa de Cláudia Mohn e da própria publicação.
BRITO, Ronie Fagundes de; GUEDES, Mariana Giubertti; SHINTAKU, Milton. Atribuição de identificadores digitais para publicações científicas: DOI para o SEER/OJS. Brasília: Ibict, 2013. 39 p.

Foco sempre!

JORGE CATIVO


0 comentários:

Visitas

Tecnologia do Blogger.